Reabertura dos shoppings exige nova negociação

Em muitos estados do País, os shoppings estão retomando suas atividades, mas não como funcionavam antes da pandemia causada pelo novo coronavírus. Agora, o que vemos, são horários de funcionamento reduzidos e fluxo de pessoas menor, para garantir o distanciamento social necessário.

Nesse cenário, algumas lojas afirmam que não é vantajoso financeiramente manter o ponto de venda aberto, porque o prejuízo é até maior do que com a loja fechada, já que existem custos operacionais envolvidos. Alguns empreendedores e redes de franquias estão simplesmente decidindo, por conta própria, não reabrirem suas lojas, mas esta não é a melhor conduta a ser adotada.

Em geral, os contratos de locação com os shoppings preveem que quando o centro comercial está aberto, as lojas precisam estar em funcionamento. Qualquer coisa diferente disso deverá obrigatoriamente passar por uma negociação entre as partes, ainda que o funcionamento do shopping esteja ocorrendo de forma diferenciada.

Importante lembrar que os acordos acertados nos últimos meses, quando a situação era de shoppings completamente fechados, não valem para este momento de reabertura parcial dos centros comerciais, porque a realidade mudou.

O valor dos aluguéis pagos pelos lojistas segue a mesma lógica. O prazo de validade das negociações feitas com os shoppings fechados pode ter acabado no exato momento em que eles voltaram a funcionar. Agora é o momento de outra negociação. Para essa conversa, é importante estar embasado em fatos e números, mostrar os custos, a previsão de receita e a impossibilidade financeira de se manter a unidade aberta caso os gastos com aluguel, por exemplo, não sejam readequados à nova realidade.

Cada situação terá que ser renegociada e, um alerta: a situação, em teoria, está menos calamitosa do que antes, então as negociações podem ficar mais difíceis. Porque, afinal, o shopping está aberto, o comércio está voltando. As condições que foram flexibilizadas meses atrás podem não ser mantidas e do ponto de vista técnico-jurídico é mais difícil defender agora a posição defendida no passado. Por isso, se prepare com dados e converse.

Advogada especializada em direito empresarial

Veja o texto completo aqui

Leia também

Coronavírus: Agora é hora de comprar uma franquia?

Especialistas ajudam a entender se este é o momento de investir em um negócio ou se é melhor esperar a retomada   É hora de investir ou de esperar?   Períodos de crise costumam ser promissores para o mercado de franquias. Executivos que perdem empregos costumam recorrer ao setor como alternativa de ter o negócio próprio, […]

Saiba mais

Nova lei preserva empresas de eventos e retira direito do consumidor

Lei 14.046, publicada em agosto, relativiza Código de Defesa do Consumidor e desobriga organizadores de shows, peças teatrais, feiras e congressos de devolver dinheiro por evento cancelado durante a pandemia Por Renata Pin   O setor de eventos foi um dos que mais sofreu com o isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus. Atrações […]

Saiba mais

Andrea Oricchio é indicada ao Who’s Who Legal como advogada de franquia

A advogada Andrea Oricchio, sócia do escritório AOA – Andrea Oricchio Advogados, recebeu neste segundo semestre de 2020 a indicação internacional Who’s Who Legal como advogada no Brasil na área de franquias. A publicação identifica os profissionais mais reconhecidos internacionalmente em diversas áreas do direito. Concedida anualmente desde 1996, a premiação é resultado de indicações […]

Saiba mais