Uma advogada na NRF. Por quê?

Uma advogada na NRF. Por quê?

Nossa ideia é estar tão antenada quanto o cliente

 

A NRF, que acontece anualmente em janeiro em Nova York, nos Estados Unidos, é o maior evento de varejo do mundo. Como é de se imaginar, não é uma conferência para advogados, digamos assim. Não tem conteúdo jurídico. Nenhum. Mas eu escolhi ir.

Nosso escritório, no Brasil, trabalha com varejo, franquia, formatação de novos negócios. E, geralmente, o que acontece é o pessoal das empresas varejistas levarem as novidades para o Brasil, querendo implementá-las, e a gente, o jurídico, chega por último. Quando digo “chega por último”, é porque somos inseridos na conversa só quando já está tudo definido, e aí é preciso correr atrás para viabilizar aquela novidade legalmente.

Queremos fazer diferente, por isso a NRF. Nossa ideia é estar tão antenada quanto o cliente, nos antecipar, para quando ele vier nos procurar, já estarmos preparadas para não colocar empecilho jurídico para o novo formato de negócio.

O que eu tiro de lição dessa NRF é uma preocupação grande com todas as pessoas envolvidas na cadeia do varejo: funcionários, clientes… Isso inclui o tema da diversidade e inclusão, que já vem forte há algum tempo e agora é momento de quem ainda não fazia, trazer esse tema de forma legítima para a empresa. As gerações mais novas não vão aceitar empresas que não fizerem isso. A CEO da BestBuy, Corie Barry, reforçou que as expectativas dos consumidores não são estáticas, e ela falou da importância de olhar para o consumidor com um olhar mais humano, não só como consumidor.

Isso leva a outra reflexão, sobre os canais de venda. Em 2030, as gerações Z (metade dos anos 90 até 2010) e Alfa (a partir da década de 2010) serão metade da população. Esses jovens vivem a realidade omnichannel de uma outra forma, com uma jornada de compra que não é linear. Flutuam sobre tudo, principalmente em redes sociais. Olham no site, buscam na loja física. Tudo se mistura. É uma realidade forte para eles. Para o varejista, é importante se preocupar com todos os canais de forma igual, e tudo muito integrado.

Outro ponto forte da NRF foi a questão da logística e velocidade de entrega. O consumidor espera mais velocidade nas entregas, em duas horas, 10 minutos, 24 horas. A integração dos canais de venda é fundamental para que isso se concretize, assim como parcerias – até com concorrentes. O tempo de resposta para tirar dúvida do consumidor também está cada vez menor, e as ferramentas tecnológicas ajudam nisso. Mas, quando dá problema, o consumidor quer um ser humano para atendê-lo.

E, claro, muito se falou de metaverso, NFTs (token não fungível, na sigla em inglês, um tipo especial de token criptográfico que representa algo único), gamificação, avatares. A gameficação já é real, assim como a venda de peças de roupas para avatares. Geração Z e Alfa querem isso. O Brasil tem outra realidade financeira, de público, mas a gente tem que olhar para isso. Ao menos entender as oportunidades para alguns tipos de negócio.

Levo de lição para o Brasil que, nessa parte digital, virtual, de metaverso e NFT, que a gente precisa se preparar do ponto de vista jurídico. O que nossa legislação já tem? Porque quando isso estourar, precisamos saber como orientar, que imposto pagar, como pagar. E vai acontecer de um dia para o outro, como aconteceu com o e-commerce na pandemia.

 

Heloísa Ribeiro

Advogada especializada na elaboração e análise de contratos, orientações e pareceres e sócia do AOA – Andrea Oricchio Advogados

Veja o texto completo aqui

Leia também

Briga entre franquias de calzone vai parar na Justiça

Uma disputa comercial entre duas redes de franquias de calzone de Santa Catarina foi parar na Justiça. A Mini Kalzone, de Florianópolis, criada há 29 anos, acusa a concorrente Calzoon, de Joinville, de copiar sua marca e estratégia de expansão em franquias. A identidade visual das duas é branca, vermelha e amarela. A quimera começou em 2015, […]

Saiba mais

Pandemia evidencia novo perfil de advogado

O Direito, de uma forma geral, sempre passou uma sensação de morosidade, de ser algo demorado. Isso acontece, de certa forma, porque a disciplina é, sim, reativa. Primeiro o fato acontece e depois é que se cria uma lei para lidar com o ocorrido. Essa lentidão, no entanto, foi forçada a ser revista durante a […]

Saiba mais

Expansão internacional de franquias ganha fôlego com a retomada da economia: quais os principais pontos de atenção nesse tipo de projeto?

Passada a fase crítica da pandemia e já em um novo cenário de reaquecimento da economia, observamos um despertar de interesse enorme de franquias americanas vindo para o Brasil, e também de marcas brasileiras voltando a expandir e a abrir mercado no exterior. Mas, ao contrário do que se poderia tradicionalmente imaginar, Miami (EUA) e […]

Saiba mais